#Conversando sobre “A crise dos 30”

Crise dos 30 anos

Quem disse que a crise dos 30 anos não bate? (🙋🏼) Ela bate sim, mesmo que 2 anos depois rs

Ano passado fiz a lista de 31 coisas que aprendi até meus 31 anos, até aí ok, eu realmente aprendi essas coisas e estava levando os 30 numa boa, mas não é que esse ano resolvi surtar? rs

Meu aniversário foi semana passada e ainda to digerindo o fato de já ter chegado aos 32 anos. Inacreditável! Ontem eu tinha 22, como assim?

Foi tudo muito legal! Tive um dia tranquilo, a noite o Kadu fez um bolinho surpresa pra mim junto com a minha família (foi tão gostoso estar com todo mundo nesse dia que nem lembrei de fotos, acredita?), mas alguma coisa bateu em mim.

A crise resolveu chegar dois anos depois, afirmando que estou 50% realizada e os outros 50% bagunçada.

Digamos que tudo que imaginei que seria aos trinta anos não aconteceu, pelo menos não até aqui, e tudo aquilo que achei que não aconteceria, hoje, é minha realidade, ou seja, a vida tratou de me mostrar que podemos planejar sim, mas quem decide é ela rs (embora eu também acredite que certas decisões tomadas também interferem nessa de futuro/destino)

Achei que seria uma mulher auto suficiente, realizada profissionalmente, trabalhando como a artista que sempre quis ser, mas em compensação achei que seria frustrada no amor, que apesar das tentativas, todas falidas, eu não encontraria alguém pra mim que realmente pudesse me amar e eu a ele. Olha os 50% aí de novo.

O fato é que as coisas aconteceram todas ao contrário, cheguei aos 30 bem mais madura do que era (isso foi a única coisa que acertei realmente hahaha), casada (amando e sendo amada) e dona de um cachorrinho lindo que amo muito. Tenho um lar, uma família. A arte, bem, ela ainda vive em mim, mas em algum momento me perdi e a deixei escapar, é aí que mora os 50% da crise.

Como já comentei em outros textos por aqui, nunca fui feliz no mundo corporativo, trabalhar dentro de uma empresa 08h por dia sempre tirou parte da minha essência e alegria. Desviar da nossa essência, daquilo que sabemos ter nascido pra fazer é um erro que nos leva a frustração, independente se isso parece certo ou não para as pessoas lá fora.

Sentir-se totalmente feliz em uma parte da vida e totalmente frustrada em outra é algo perfeitamente normal apesar da crise dizer que não.

Retomar do ponto onde paramos nunca é fácil, mas aceitar com maturidade que deixamos uma parte crucial de nós de lado é um passo importante pra que as coisas voltem a se encaixar na medida que formos resgatando o que pertence a nós e foi negligenciado.

Faz tempo que tenho tentado ouvir mais esse meu lado reclamão, porque ele não faz isso por ser chato ou pra me maltratar e sim porque pede atenção e AÇÃO. Palavra de ordem pra esse meu momento.

Muitas vezes os motivos de nossas frustrações ou crises existenciais tem a ver com não nos ouvir com muito mais carinho e levar em consideração tudo aquilo que está sendo reivindicado.

Saber o que fazer com isso é a parte mais difícil, por isso ando meio bagunçada, mas ao invés de enxergar essa bagunça como algo ruim, mesmo tendo dias bem punks, prefiro respirar fundo, deixar esses dias passarem e agir, mesmo que ações ainda pequenas, pra que eu encontre o caminho de volta e os meus 32 anos sejam sobre aquela mulher 100% realizada, 100% sem crises, que eu nem acreditava que poderia ser, mas que hoje sinto o vislumbre dela chegando pra ficar.

Tem coisas, como o amor, que não podemos fazer nada a respeito, a não ser esperar o tempo dele chegar pra ficar, enquanto isso aproveitar delícias de uma vida bem vivida quando estamos batalhando por todas as outras que só dependem de nós.

Deixei coisas fugirem de mim, mas estou no caminho pra buscá-las de volta, você de repente pode fazer o mesmo se se sente como eu, ou ainda, pode agir agora, pra que não tenha que chegar lá na frente e travar uma luta pra resgatar o que foi esquecido. A frustração pode ser evitada, basta uma ação. Basta acreditar.

Essa foi a reflexão desse ano, então bora lutar pra sermos felizes e realizados sempre!

Conta pra mim aí nos comentários, independente da idade que está hoje, tem se ouvido? Tem se preocupado em tornar realidade tudo aquilo que seu coração deseja?

Deixe uma resposta