Taking Stock #1 – Decifrando os dias

Taking Stock #1

Nessa loucura que é a nossa vida – mesmo a gente tentando desacelerar, é normal vivermos uma rotina que rouba muito do nosso tempo – a gente mal presta atenção no que fazemos, ouvimos ou sentimos.

Por isso resolvi aderir ao projeto Taking Stock, que conheci através do blog Compra-se um fusca, e que foi originalmente criado pelo blog Meet Me At Mikes.

Esse projeto é bacana porque nos faz avaliar e perceber tudo que vem passando por nossa vida de um jeito muito mais claro. Escrever é sempre um meio de olhar para as coisas com mais calma e carinho. E eu que já não gosto dessas coisas, claro que quis fazer também. Quem sabe inspire vocês a tirar esse tempo e colocar no papel, blog, facebook, tudo que vem fazendo da sua vida mais fácil ou até mesmo com muito mais sentido.

> Ouvindo:

“Flutua” de Johnny Hooker e Liniker
Uma música maravilhosa por tudo que ela representa: por ter uma pegada blues (amo!!), pelas vozes únicas, melodia, letra e luta contra o preconceito. Estou viciada e ouço milhares de vezes todos os dias praticamente. rs

> Assistindo:

“Designated Survivor” com Kiefer Sutherland
O Presidente dos E.U.A. é vitimado durante um ataque a bomba durante o discurso do Estado da União, no capitólio, e todos os outros membros do governo que estavam presentes morrem também. Tom Kirkman (Kiefer Sutherland), o secretário de habitações e desenvolvimento urbano, funcionário público de mais alto escalão ainda vivo, vira presidente do dia para noite. Uma conspiração parece se desvelar ao seu redor e ele precisa proteger sua família enquanto descobre o que está acontecendo.

Série com duas temporadas que estou devorando na Netflix. Muito, mas muito legal mesmo.

> Lendo:

“As coisas que você só vê quando desacelera” de Haemin Sunim
Já falei desse livro aqui no blog, de como ele é amorzinho e faz mesmo a gente querer desacelerar e viver uma vida mais tranquila e com muito mais significado. Ainda estou lendo, pois como o próprio autor diz, não é um livro para devorar e sim para ler com calma, absorver e desfrutar tudo quanto podermos de suas reflexões. Então, eu to indo na manha mesmo pra poder aproveitar cada segundo.

> Bebendo:

Muito vinho tinto. Nunca fui de beber mas depois que casei, graças ao Kadu, passei a apreciar uma bela taça de vinho nas nossas noites de descanso. Muito raramente passo pra uma segunda taça, mas ainda sim, tem sido uma bebida constante aqui em casa.

> Comendo:

Esta questão na minha vida não tem sido o que tenho comido e sim o que tenho evitado. Como vou mencionar mais abaixo, estou batalhando pra perder alguns quilinhos (super necessários) e por isso tenho evitado comer aquelas besteiras maravilhosas que tanto amamos e também tenho feito jejum intermitente, quero falar dele em um post único, mas que basicamente deixo de tomar café da manhã e paro de comer as 20h.

> Vestindo:

Vestidos e mais vestidos. De todas as cores, estampas e tamanhos. Longos, curtos, arrasadores ou mais basiquinhos. O fato é que o calor tá insano e não consigo colocar uma calça sequer com tanto calor.

> Pensando:

Em dar rumo a algumas questões na minha vida que andam empacadas, como por exemplo: cursos que sempre quis fazer e não fiz até hoje. Organizar meus armários. Tornar minha alimentação muito mais saudável, entre outras coisas.

> Sentindo:

Que 2018 me reserva grandes coisas. Alguma coisa dentro de mim diz que este ano, muito de tudo aquilo que eu e Kadu temos aguardado ansiosamente irá finalmente começar a florescer.

> Considerando:

Dar aulas de inglês pra minha prima. Isso irá ajudar ela que quer aprender a língua, assim como a mim, que preciso praticar e evoluir.

> Questionando:

Tudo que tira minha paz. Sei que nada disso tem que pertencer a mim, caso contrário, não me deixaria ansiosa e sim tranquila. E também tudo e qualquer expectativa que coloquem e que até eu mesma coloco sobre mim.

> Rindo:

Das babaquices minhas e do Kadu. Outro dia rimos feito crianças tentando imitar com a voz o chicote do Beto Carreiro (nessa chamada aí, quem é dá época lembra rs). Até áudio gravamos e mandamos pra amigos e parentes pra dizerem quem fez mais parecido. hahaha

> Desfrutando:

De dias tranquilos que me fazem bem. Um bom vinho, um filme ou um livro, músicas que me remetem calmaria, alegria. Companhia da minha família. As carinhas fofas do Scott.

> Admirando:

Pessoas pela internet afora, que nos passam conteúdos reais, de pessoas reais, de vidas reais. Que falam de suas alegrias e conquistas mas também de suas fragilidades e anseios. Que molda a felicidade na simplicidade e não na grandiosidade. E tem tanta gente assim, que tenho amado me aventurar por aqui e claro, me inspirado bastante também e falar sobre minha vida real, que é só o que quero que encontrem por aqui.

> Desejando:

Encontrar o meio termo onde eu possa fazer o que preciso e o que desejo sem conflitos internos.

> Planejando:

Perder 15 quilos até maio de 2018. São três meses inteiros pra isso. Espero ter o foco necessário. Amém!

> Procurando:

Encontrar uma identidade visual que seja a minha cara para as mudanças que vão acontecer aqui no blog a partir de fevereiro.

> Amando:

Me dedicar a coisas que fazem parte da minha essência, como escrever no blog, leituras que me fazem pensar e apaixonar mais ainda pela vida, meditar. Tudo aquilo que sempre me trás de voltar pra mim.

> Agradecendo:

A vida e tudo que ela trouxe até a mim. Papai do céu sempre soube o que eu precisava e nunca me deixou faltar. Até o que não está perfeito sei que tem uma razão e que lá na frente descobrirei os benefícios de aguentar firme e forte.

Amar é calmo e se alimenta de momentos

Casal Amar é

Outro dia desses, o Kadu me mandou no celular algumas imagens e nem foi preciso dizer muita coisa pra rirmos juntos vendo um pouco (ou muuuito) da gente em cada uma delas.

Pesquisei na internet sobre o autor das ilustrações e descobri que foi inspirada no casalzinho bem conhecido das crianças de 80/90.

Quem foi criança nessa época deve lembrar que existia até um álbum de figurinhas chamado “Amar é”, que por sua vez vinham em balas que já nem lembro o nome.

Eeee fasezinha gostosa! Eu nem gostava de bala, mas lembro q curtia guardar as figurinhas.

Agora, adulta como o casal das figurinhas, que também cresceu, descobri que amar é mesmo muito mais do que aquelas cenas românticas e inusitadas das comédias românticas, que um dia assistíamos ansiosas para que acontecesse algo tão incrível quanto com a gente.

Acontece que o incrível não é ter um cara que se declara pra você dentro de um vagão do metrô, ou que faça uma cena diante dos amigos pra te conquistar, ou ainda que desmanche um casamento na hora do sim por você ou se apaixone quando te vê exuberante descendo as escadas de um salão.

Incrível é encontrar alguém que sai do trabalho e muda toda a rota de casa só pra te dar um beijinho na porta da faculdade, que vai na padaria comprar pão e volta com um doce que sabe que gosta, que te dá flores só pra te ver sorrir, que fica horas e horas com você no pronto socorro porque está doente, ou ainda, que vai com você no almoço de domingo na casa da sua vó e conversa com ela como se fossem amigos de longa data.

Incrível é você dizer que está com dor de cabeça e antes mesmo de pensar em pegar um remédio, ele já está com um copo d’água e um comprimido na mão, é ele se recusar a dirigir e incentivar você a pegar o carro porque quer te ver dirigir sem medo, e que ao dormir peça carinho nas costas e diz que é o único jeito de dormir bem a noite toda. Amar é simples. Amar é calmo e se alimenta de momentos.

Os momentos incríveis de um relacionamento são aqueles que não acontecem nada demais. Só a rotina mostrando que pode ser muito mais bela do que acreditamos um dia. E uma parte dela foi ilustrada, dá só uma olhadinha:

Amar é curtir juntos

Amar é paquerar e namorar sempre

Amar é fazer planos juntos

Amar é contar um com o outro

Amar é pedir desculpas

Amar é cuidar dos detalhes

Amar é ter momentos difíceis

Amar é ser companheiro em todas as horas

Amar é estar junto pra sempre

Tenho que dizer que a mais legal, de todas ilustrações, é sobre as roupas fora do cesto.

Gente, é toda vez, vocês não estão entendendo rs… é inacreditável!😆😆😄

É preciso redirecionar a rota para um novo começo

Sombra de Kadu e Aline

Quem é vivo sempre aparece, né? Olha eu aqui 🙂

Minha vida anda numa correria só! E eu ando, dia sim e o outro também, dando um jeito de me adaptar a essa nova rotina.

Há três anos atrás quando eu e o Kadu começamos a namorar, fizemos alguns planos que acabaram não rolando e agora a gente tá correndo atrás do prejuízo.

Sonhos esses, que não abandonamos, mas mudamos um pouco a rota, ou melhor, redirecionamos a rota para um novo começo.

Por um bom tempo foi difícil aceitar que as coisas não saíram como gostaríamos, reclamamos, lamentamos, choramos, mas por fim entendemos que o fato de as coisas não saírem do jeito que escolhemos e no momento em que desejamos, não significava o fim.  Significava que encontrando uma nova direção tudo era capaz de se encaixar e fluir.

Sermos mais leves, e deixar as coisas acontecerem sem querer controlar o tempo todo tem sido nosso principal desafio.

Deixa eu explicar pra vocês, eu falo, falo e nunca falo de fato né?

O Kadu sempre quis ter seu próprio negócio, um barzinho, uma pizzaria, algo pra galera curtir um happy hour, desfrutar de uma comida boa, um ambiente gostoso, e eu embarquei com ele nessa jornada, nesse sonho de trabalharmos pra nós mesmos, essa também seria a chance, quem sabe, de poder me dedicar mais aos meus sonhos antigos.

Acho que todo mundo que me conhece e os que me acompanham aqui sabem que sempre quis trabalhar com arte, né? Sinto uma necessidade imensa de me expressar e tocar pessoas que não sei nem explicar, e eles continuam vivinhos aqui dentro, sem nunca deixá-los morrer, tampouco penso em abandoná-los.

Tentamos, tentamos e acabou não rolando por milhares de razões que não vem ao caso relembrar agora, por fim, nos coube optar pelo óbvio.

Iríamos voltar a trabalhar em nossas áreas de experiência, sem desistir de colocar em prática tudo quanto for possível pra realizar cada etapa do que ainda desejamos.

Graças ao bom Deus, não foi difícil voltar ao mercado de trabalho quando finalmente tomamos essa decisão, Kadu conseguiu emprego dois meses antes de mim, e agora cá estamos, CLT por tempo indeterminado novamente.

Não era exatamente o que queríamos dois anos atrás quando saímos de nossos empregos pra conquistar algo maior, mas é o que precisamos hoje, pra quem sabe lá na frente as coisas saírem diferentes, dessa vez com mais experiência e paciência.

Não temos prazos definidos de quanto tempo devemos levar pra conquistar nosso próprio negócio e vivermos do que temos sonhado juntos, mas uma coisa é certa, estar onde estamos tem nos dado novo gás, novas perspectivas e expectativas quanto a um futuro próximo.

Isso tudo fica como lição não só pra gente como pra quem está lendo agora e se vê, muitas vezes, longe do que planejou e sonhou, há momentos na vida que precisamos passar pelo não esperado ou desejado pra alcançarmos com mais vigor e glória nossas vitórias.

Desviar a rota pra fazer a curva lá na frente e voltar aos objetivos principais, sempre que for preciso! Desistir dos planos, tomar um caminho sem volta e sem esperança de um novo amanhã de conquistas, nunca!

Lembrem-se disso, que nós estaremos lembrando aqui também.

A vida é feita de momentos difíceis e alegres, de perdas e conquistas, de bonança e paciência, de trabalho árduo e vitórias. Passamos pelos difíceis e de perdas, estamos no da paciência e trabalho árduo, pra enfim chegarmos nos de conquistas e bonança, sem esquecer, claro, de em todos eles, carregar alegria no coração.

Quanto ao blog, ele faz parte desses objetivos que batalhamos pra seguir conquistando sempre o melhor, é por essas e outras, que mesmo com a nova rotina, estarei aqui tanto quanto possível, porque querer, quero muito!

Uma palavra muda tudo

Polaroids Cotidianas

Ontem tive um dia daqueles! Tinha um compromisso que definitivamente não queria, nem podia atrasar, saí com tempo de folga, certa de que era preciso chegar pelo menos com meia hora de antecedência e também por não conhecer o lugar onde estava indo.

Pois bem, pergunte agora se tudo aconteceu como previ?

Claro que não! Me perdi, parei pra perguntar trezentas vezes onde estava e como fazia pra chegar, peguei chuva, cheguei atrasada e só queria chorar de raiva ou de pura frustração mesmo. A parte boa é que meu compromisso aconteceu, mesmo atrasado, e voltei pra casa, em pleno horário de pico, frustrada e esgotada.

O dia já começou a melhorar quando fui recebida calorosamente pelo Scott, ele fica em estado de euforia quando um de nós chega em casa. Alegria verdadeira de ver alguém, igual a dele, não há. Levou um tempinho pra se acalmar, mas por fim, juntos deitamos na cama e ficamos lá, quietinhos, parecia que ele sentia que meu dia não ia bem, esperando nosso outro amor, chegar.

Kadu finalmente chegou do trabalho e antes mesmo de relaxar, quis saber como foi o meu dia. Eu claro, que já não gosto de falar, disparei a contar tudo que deu errado e nem sabia mais dizer se meu compromisso tinha dado em alguma coisa. Ele ficou lá, parado, sentado na beira da cama, quase caindo, me olhando com um olhar calmo e ao mesmo tempo concentrado, com um sorriso praticamente imperceptível nos lábios, que me fez calar. Dessa vez, eu, intrigada, quem sorri de volta e perguntei: “O que foi?”

Ele deixou o sorriso vir, dessa vez, escancarado e respondeu: “Nada, só admirando você falar.”

Bem, já nem preciso dizer o quanto isso já mudou completamente meu dia. Estar em casa, com meus dois amores, sendo recebida com tanto carinho por eles, fez qualquer contratempo do dia ser do tamanho que ele é, bem pequeno, perto da alegria de saber e estar onde pertencemos.